Saiba o que é a Leishmaniose e o tratamento ideal

saiba o que e leishmaniose

Saiba o que é a Leishmaniose e o tratamento ideal

Saiba o que é a Leishmaniose e o tratamento ideal para seu cachorro

A leishmaniose é uma grave zoonose que atinge todos os estados de nosso país, mas atualmente, a região da grande BH é considerada a pior área do Brasil, considerada uma região endêmica.

Geralmente transmitida por mosquitos flebótomos , conhecidos vulgarmente como mosquito palha, esses vetores possuem apenas 2 a 3 milímetros de comprimento e em função de seu tamanho minúsculo tem a capacidade de ultrapassar até mesmo as malhas de mosquiteiros e de telas. Esses insetos tem uma tonalidade amarelada ou acinzentada e as suas asas ficam abertas quando estão em processo de repouso.

As suas nomenclaturas podem mudar em função da sua localidade, os mais comuns se tratam dos seguintes: o mosquito palha, o tatuíra, o birigui, a cangalinha, a asa branca, a asa dura e a palhinha. O mosquito palha ou mesmo asa branca é mais fácil de ser achado em locais escuros, úmidos e onde há uma grande quantidade de matéria orgânica.

Seus horários de pico são ao amanhecer e ao anoitecer.
Existem 2 tipos de leishmaniose. A leishmaniose cutânea e a leishmaniose visceral. Ambas são muito frequentes e graves e podem levar animais e seres humanos ao óbito se não receberem diagnóstico e tratamento rápido.

Quais são os principais sintomas da leishmaniose visceral em cães e humanos?

Os sintomas da leishmaniose visceral são os seguintes:

1 – Febre irregular e duradoura
2 – Fraqueza
3 – Falta de animo
4 – Palidez da pele e também das mucosas
5 – Perda da forma
6 – Perda de peso
7 – Inchaço na região abdominal por causa do aumento dos tamanhos de fígado e também do baço

Quais os sintomas da leishmaniose cutânea em cães?

1 – Úlcera no local da picada do mosquito de difícil cicatrização
2 – Descamação intensa por todo o corpo do animal
3 – Crescimento exagerado das unhas
4 – Emagrecimento
5 – Prostração

Quais os sintomas da leishmaniose cutânea em seres humanos?

1 – Úlceras no local da picada do mosquito geralmente indolores
2 – Lesões papulares, geralmente arredondadas que podem ser localizadas ou disseminadas por todo o corpo
3 – Perda de peso

Como é feito o diagnóstico de Leishmaniose em animais?

O diagnóstico é feito através de exames sorológicos. Sintomas podem ser inespecíficos e não conferem segurança diagnóstica. Por se tratar de uma zoonose grave, é aconselhável a visita com o animal em consultório veterinário para melhor orientação.

Tratamento canino para Leishmaniose

Ainda não existe tratamento definitivo para leishmaniose em nosso país, existem tratamentos conservadores que em determinados casos, conseguem aliviar sintomas, dar qualidade de vida e prolongar em muitos anos a vida dos nossos amiguinhos. Cada caso deverá ser estudado com o médico veterinário para que junto a família decidam qual será o protocolo usado. O melhor caminho é a PREVENÇÃO.

A boa notícia é que há uma vacina contra a leishmaniose que oferece uma eficácia acima dos 80%. Para iniciar o protocolo vacinal, o animal deverá ter seu sangue coletado pelo médico veterinário. Somente poderão ser vacinados animais soronegativos, ou seja, que comprovadamente não possuem a doença. São aplicadas 3 doses da vacinas, intervaladas criteriosamente em 21 dias cada aplicação e, tomar o reforço anual na data da primeira dose da vacina.

Por isso, leve regularmente seu pet para uma consulta. Somente um profissional capacitado está apto a diagnosticar, tratar e prevenir seu amiguinho dessa doença tão cruel. Quer saber mais dicas para garantir uma vida saudável para seu animal? Leia também o artigo Como viajar com meu animal de estimação e acabe com suas dúvidas.

Conheça algumas maneiras para evitar a Leishmaniose

Com algumas medidas simples, você pode evitar o aparecimento da doença. Confira as dicas a seguir:

1 – Não faça caminhadas em horários do pico do mosquito, amanhecer e entardecer.
2 – Realize a dedetização, quando recomendado por autoridades da área de saúde.
3 – Procure usar os repelentes nos animais disponíveis no mercado. Existem produtos pouron que devem ser aplicados mensalmente e coleiras que duram até 6 meses. Há também a opção de usar sprays e repelentes de citronela.
4 – Vacinação do seu animal, principalmente em áreas endêmicas como a grande BH
5 – Não acumular matéria orgânica em casa ou aos arredores. ( plantas, fezes, lixo….)

Espero que tenha gostado das dicas.
Abraços !

Compartilhe este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *